quarta-feira, 17 de julho de 2019

ALERTAS DIVINOS FRENTE À CHEGADA DO JUÍZO


INTRODUÇÃO: Texto bíblico: Malaquias 1:1-4:6 

1. Malaquias ergue a voz antes de Deus ficar em silêncio por 400 anos. Com destemida ousadia esse mensageiro inspirado dá o último recado a um povo que cambaleava em sua espiritualidade. Era mais uma tentativa da voz profética de preparar um povo que deveria estar aguardando a chegada do Messias. Essas profecias foram proferidas após um século do retorno do cativeiro babilônico, o ministério de Esdras e de Neemias, e aproximadamente quatro séculos antes da vinda de vinda do Senhor ao Seu Templo.

2. Malaquias, em seu texto inspirado pelo Espírito Santo, é tão relevante ao povo da segunda vinda de Cristo quanto fora aos judeus expectantes da primeira vinda do Messias. Assim, os quatro capítulos fornecem uma mensagem de primeira instância para cada cristão do século 21.

3. Malaquias tem uma mensagem forte e contundente para a igreja atual: “A hora do juízo de Deus é chegada, e sobre os membros da igreja na Terra repousa a solene responsabilidade de advertir aos que estão mesmo às bordas, por assim dizer, da eterna ruína” (Idem, 716).

I. A IGREJA DEVE FICAR ALERTA COM PELO MENOS SEIS PECADOS QUE ATRAPALHAM A ESPERA DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO:

Há pelo menos seis pecados que caracterizavam a igreja do Antigo Testamento na época do profeta Malaquias quando aguardavam a primeira vinda de Cristo, os quais devem servir de alerta a nós que aguardamos Sua segunda vinda:

1. Desvalorização do amor divino (Malaquias 1:1-5). As pessoas projetam a Deus a própria falta de amor delas para com Deus, e então questionam tal amor divino. Mesmo que o amor de Deus não seja percebido por indiferentes, isso não significa que Ele não está sendo demonstrado. E quanto a nós?

a) Ainda insistimos questionando a Deus, Seu amor e Sua fidelidade, da mesma forma que os judeus na época de Malaquias?
b) Ainda precisamos que Deus prove Seu amor para conosco como fez a Israel, mesmo após Jesus ter sido a maior revelação desse amor através de Seu sacrifício de amor na cruz?
c) Ainda colocamos em dúvida o amor de Deus, devido às nossas dores ocasionadas por nossa frouxidão espiritual e moral?

2. Desmoralização de Deus (Malaquias 1:6-2:9). As pessoas, orgulhosamente, agem com Deus como Alguém insignificante, ou como um Ser qualquer. Os judeus valorizavam mais as pessoas com cargos de autoridade do que o Senhor do Universo.

a) E nós, priorizamos Deus em nossas atividades, ou não dispomos de tempo para Ele?
b) E nosso coração e espiritualidade, demonstram compromisso com Deus ou revela um relaxado e quase insignificante relacionamento com Ele?
c) E quanto ao tempo, Ele ocupa espaço significativo em nossa agenda ou estamos tão cheios de compromissos que O desonramos o tempo todo?

3. Destemida infidelidade a Deus (Malaquias 2:10-16). A dificuldade no relacionamento interpessoal revela o distanciamento das pessoas da presença de Deus. O casamento é o mais íntimo dos relacionamentos humanos, e sofre terrivelmente quando há significativo afastamento de Deus. Então reflita:

a) Quem te influencia mais, Deus e Seus princípios ou a cultura desprovida de Deus?
b) Demonstramos nosso compromisso com Deus através dos relacionamentos ou eles revelam que estamos mais comprometidos com as tendências secularistas e materialistas?
c) Como está teu casamento, como Deus planejou ou como o pecado projetou?

4. Definição equivocada da justiça divina (Malaquias 2:17-3:6). Indivíduos sem intimidade com Deus criam conceitos teológicos, destorcendo-Lhe o caráter. 

a) Você acredita que Deus age no mundo ou crê que Ele nos abandonou aqui?
b) Você apega-se a qual base filosófica para avaliar a sociedade e os diversos sofrimentos e mortes que nos assolam incessantemente?
c) Você possui conceitos sobre Deus que revelam quão íntimo você é dEle ou quão distante tem se afastado dEle?

5. Desrespeito com aquilo que pertence a Deus (Malaquias 3:7-12). Quem não coloca a Deus em primeiro lugar na vida terá dificuldades com dízimos e ofertas. Faça uma autoanálise: 

a) Teu dinheiro tem sido mais importante que Deus, ou Deus tem sido mais importante que o dinheiro?
b) Teu dinheiro testemunha de tua fidelidade a Deus ou testemunha de que você anda roubando o que pertence a Ele?
c) Tua forma de lidar com o dinheiro diante de Deus revela reverência ou ganância?

6. Difamação da graça de Deus (Malaquias 3:13-15). Pessoas vazias de Deus questionam Sua graça, reclamam de tudo, e questionam a justiça divina. Reflita com sinceridade: 

a) Você busca a Deus por causa das bênçãos visando vantagens e, quando a tua expectativa não é saciada te frustras com Ele?
b) Você serve a Deus visando Sua pessoa, Seu amor e Sua graça, ou apenas almejando Suas bênçãos e prosperidade material?
c) Você serve a Deus de coração mesmo em meio a dificuldades, desafios e obstáculos, ou vives um formalismo religioso, buscando nas cerimônias religiosas um amuleto da sorte, e depois ficas indignado por concluir que a religião bíblica parece não funcionar?

II. A IGREJA DEVE SABER COMO DEUS VAI PROCEDER EM SEU JUÍZO SOBRE O MUNDO:

Na profecia de Malaquias existem três interlúdios onde encontramos revelado o juízo divino em três ênfases:

1. Primeiramente, juízo sobre sacerdotes, ou seja, líderes religiosos (Malaquias 2:1-9). Os questionadores inveterados de Deus se surpreenderão no dia do juízo ao serem confrontados pelo próprio Deus.

2. Na sequência, juízo sobre o povo, ou seja, a igreja de Deus (Malaquias 3:1-6). Quem se acha justo aos próprios olhos se surpreenderão quando a justiça divina se manifestar, revelando que eram injustos quanto a seu julgamento próprio.

3. Finalmente, juízo em prol do remanescente perseverantemente fiel (Malaquias 3:16-4:6). O juízo celestial erradicará o mal definitivamente; todavia, será preservado e vindicado o remanescente que viveu descente e intimamente com o Deus Onipotente.

CONCLUSÃO: As seguintes citações de Ellen G. White nos auxiliam a compreender ainda mais a mensagem de Malaquias: 

1. “Solenemente foram os praticantes do mal advertidos sobre o dia do julgamento por vir, e do propósito de Jeová de visitar com imediata destruição cada transgressor. Todavia, ninguém foi deixado sem esperança; as profecias de Malaquias sobre o juízo foram acompanhadas de convites ao impenitente para que fizesse paz com Deus. ‘Tornai vós para Mim’, o Senhor apelava, ‘e Eu tornarei para vós.’ Mal. 3:7” (Profetas e Reis, p. 706).

2. “Dir-se-ia que nenhum coração pode deixar de responder a tal convite. O Deus do Céu está apelando a Seus filhos transviados para que voltem para Ele, a fim de que possam com Ele cooperar na condução de Sua obra na Terra” (Idem).

3. “A luz é uma bênção, uma bênção universal a derramar seus tesouros sobre um mundo ingrato, injusto e pervertido. Assim é com a luz do Sol da Justiça. A Terra toda, envolvida embora nas trevas do pecado, do infortúnio e da dor, deve ser iluminada com o conhecimento do amor de Deus. A luz que brilha do trono do Céu não deve ser excluída de nenhuma seita, categoria ou classe de pessoas [...]. As trevas devem fugir ante os brilhantes raios do Sol da Justiça” (Idem, 719). 

4. “As palavras finais de Malaquias são uma profecia concernente à obra que deveria ser feita como preparação dos primeiros e segundo advento de Cristo” (A Fé Pela Qual Eu Vivo, p. 288).

APELO: 

1. Fique alerta para que tua vida não seja caracterizada pelos pecados do povo de Deus da época de Malaquias.
2. Esteja alerta para a necessidade de preparo no tempo do juízo, antes da vinda de Cristo.
3. Invista na preparação de mais pessoas para que elas também vivam os maravilhosos planos de Deus.
Pr. Heber Toth Armí

Um comentário:

Dê seu parecer respeitando a ética cristã. Sua opinião será bem-vinda:

Postagens mais acessadas nesta semana