terça-feira, 31 de julho de 2018

NOSSO DEUS É O MESMO DEUS ABENÇOADOR DE JACÓ


INTRODUÇÃO: Texto bíblico principal: Gênesis 49:22-26

1. O Deus que agiu antigamente é o mesmo que age no presente e agirá no futuro. Assim como os personagens do Antigo Testamento foram abençoados por Ele, nós também podemos receber Suas preciosas bênçãos.

2. O Deus de Jacó Se tornou o Deus de José, isso sucedeu por legado da fé de pai para filho. Desta forma, a religião não é transmitida geneticamente para a nova geração, mas por educação e influência paterna.

3. O contexto destes versos nos mostra Jacó, no Egito, em seu leito mortuário, abençoando aos seus filhos. Observa-se que...

a) Jacó dedicou tempo e palavras para abençoar José mais do que aos outros filhos – com exceção de Judá, que teria relevância messiânica no mundo (vs. 8-12).
b) Jacó usou o termo “bênção” cinco vezes e o verbo “abençoará” uma vez no discurso final dirigido a José.
c) Jacó distinguiu a atuação de Deus na história de seu filho predileto, e suas bênçãos a ele chegam até nós (Gênesis 49:22).

I. DEUS FAZ PROMESSA AO PECADOR MORIBUNDO QUE ELEVA A ELE SUAS SÚPLICAS – 49:24

“Endereçadas a José, mas aplicáveis aos seus dois filhos (cf. 48:15-20), essas palavras enunciam uma contrastante experiência de crescimento e prosperidade, além de hostilidade e conflito. Os vs. 23-24 podem ser uma biografia de José. Nenhuma outra tribo teve referência tão direta ao Senhor Deus (vs. 24-25) na bênção como a que foi dirigida a José. Os quatro nomes usados para Deus refletem bem a ênfase de José na soberania de seu Deus, sem levar em conta o infortúnio e a tristeza de que foi alvo (cf. v. 23)” (John MacArthur). 

1. Um pai que experimentou o resultado da promessa de Deus desejará a mesma experiência para seus filhos. “Jacó percebeu, em humildade, ter sido muito mais abençoado que seus pais, de modo que desejava bênçãos ainda maiores para José, aquele que foi distinguido entre seus irmãos” (William MacDonald).

2. Um pai que experimentou segurança e prosperidade de Deus em meio à aflição e ameaça de seu irmão deve compartilhar seu legado com a nova geração. Assim como Jacó, José também teve problemas com seus irmãos (Gênesis 37:4, 24, 28); contudo, da mesma forma que a súplica pela bênção de Deus trouxe resultados positivos a Jacó (Gênesis 28:10-22; 32:22-26, 29-30), ele queria o mesmo para seu filho José.

3. Um pai que experimentou vitória mediante a atuação divina desejará que seu filho confie em Deus para ser bem-sucedido. Apesar de hostilidades, opressões e injustiças, é possível avançar caso a mão de Deus nos acompanhar.  

II. DEUS É PODEROSO NA VIDA DAS NOVAS GERAÇÕES COMO FOI PARA AS GERAÇÕES PASSADAS – Gênesis 49:24-25

Em Genesis, Deus é o poderoso Criador, que abençoa mesmo depois do pecado. “A narrativa do Gênesis, que começou com a bênção divina sobre a criação, agora termina com Jacó comunicando a bênção divina a seus filhos [...]. As bênçãos da criação vêm focalizar-se na nação eleita de Israel, particularmente em José (cf. 49:25, 26)”. Nessa bênção poética, “José é comparado a uma videira frutífera (49:22), afirmada de sua sucedida autodefesa (49:23-24), e prometida bênção abrangente (49:25-26). Num padrão quiasmático, o poema exclama que sua fertilidade (49:22) e sua segurança (49:23-24), se devem a Deus, que o protege (49:24) e o abençoa com a fertilidade do solo e do corpo (49:25). As bênçãos abrangentes de seu(s) pai(s) (49:26) repousam em José acima de seus irmãos” (Bruce K. Waltke). 

1. Deus é visto como:

a) Protetor, pelos títulos:
· O poderoso de Jacó, que cuida dos que Lhe pertencem.
· O Pastor dos filhos de Israel, que conduz a história do mundo, das nações e dos indivíduos em meio aos conflitos resultantes do pecado.

b) Benfeitor, pelos títulos:

· Deus de teu pai, um Criador transcendente, que mantém Sua Palavra às novas gerações.
· O Todo-poderoso, um Ser Onipotente que pode ajudar o impotente ser humano em qualquer situação.

2. Esse Deus:

a) Abençoa com bênçãos dos altos céus: Chuva, orvalho, sol, vento, etc.
b) Abençoa com bênçãos das profundezas: Fertilidade da terra, nutrição para a plantação, rios, etc.
c) Confere bênçãos da fertilidade, capacidade de gerar filhos.
d) Confere bênçãos da fartura, prosperidade.

3. O Deus de Jacó é o mesmo de Abraão e Isaque, e quer ser Seu Deus também.

III. DEUS PRESERVA UM POVO NESTE MUNDO SALVANDO-O DAS CONSEQUÊNCIAS DO PECADO – Gênesis 49:26

Deus abençoa as novas gerações: “As bênçãos que o patriarca implorou para José deviam exceder às dádivas que os pais de Jacó lhe haviam transmitido” (Comentário Bíblico Adventista). 

1. Ainda que o pecado tenha inundado o mundo com maldição, Deus está sempre oferecendo gratuitamente Suas bênçãos. Por causa destas bênçãos, Jacó pode, diante da morte, olhar para o futuro, e, confiando em Deus, proferir bênção a sua descendência.

2. Ainda que a morte resultante do pecado interfira na história de um indivíduo, este indivíduo pode dar continuidade à benção recebida de Deus antes de morrer.

3. Ainda que num mundo de opressão, perseguição, injustiça e sofrimento, pais piedosos podem influenciar de forma vital até mesmo às gerações mais distantes com um legado de fé e intimidade com Deus.

CONCLUSÃO: 

1. Deus nos abençoa para que abençoemos as próximas gerações. Jacó influenciou seus filhos com a revelação do Deus de Abraão e Isaque. Agora José O tem como seu Deus assim como Seu pai Jacó. “Se nós desejarmos ser uma bênção para os filhos de nossos filhos, não há maneira mais garantida do que viver tão íntimos de Deus como José viveu” (Richard O. Lawrence).

2. Deus abençoou no passado e quer abençoar no presente. A bênção de Jacó a José é apenas mero reflexo da bênção de Jesus aos que nEle creem (Efésios 1:3-4). Hoje Seu povo é Sua igreja.

3. Deus abençoa àqueles que O buscam e suplicam por Suas bênçãos, Ele é tão poderoso para cuidar e guiar os crentes atuais como fez no passado com Seu povo; por isso, através de Cristo, Ele salva pecadores das mais atrozes consequências do pecado. A maior das bênçãos será morar com nosso Salvador por toda a eternidade em um ambiente perfeito.

APELO:

1. Creia que o Deus que abençoou no passado ainda quer abençoar no presente e no futuro aos que O buscam.
2. Experimente a bênção de aceitar verdadeiramente a Cristo a tal ponto de influenciar outros a terem também essa bênção.
3. Una-se à igreja, que é o corpo de Cristo aqui na Terra, cujo objetivo é ser uma agencia missionária para abençoar pessoas até Jesus voltar.

Pr. Heber Toth Armí

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê seu parecer respeitando a ética cristã. Sua opinião será bem-vinda:

Postagens mais acessadas nesta semana