sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

O CUIDADO AMOROSO DE DEUS POR SEU POVO INGRATO


INTRODUÇÃO: Texto Bíblico principal: Malaquias 1:1-5

1. Muitas vezes somos insensíveis, indiferentes e questionamos ao amor divino. Podemos não perceber nada disso em nós, mas Deus percebe.
2. Muitas vezes podemos não gostar do amor de Deus quando visa disciplinar-nos para corrigir algum mau comportamento que não queremos abandonar.
3. Muitas vezes, portanto, recusamos ao maior amor demonstrado a nós que merecemos apenas o ódio e a condenação devido a nossa rebelião, rebeldia e ingratidão.

I. O PROFETA MALAQUIAS REVELA QUE DEUS NOS AMA INCONDICIONALMENTE – Malaquias 1:1-2

1. Deus ama Seu povo apesar da mornidão espiritual em que se encontra: Após Ageu, Zacarias, Neemias e Esdras terem influenciado o povo, houve regressão espiritual; mesmo assim Deus o amou.
2. Deus ama Seu povo apesar da insensibilidade do coração e da indiferença reinante: As sucessivas investidas dos samaritanos, a pobreza e a fraqueza do remanescente que voltou do cativeiro babilônico tornaram os judeus insensíveis e indiferentes a Deus; contudo, Deus os amava.
3. Deus ama Seu povo apesar da hipocrisia, ingratidão e da frieza: “Em que nos tens amado?” é a pergunta do coração ingrato, hipócrita e frio do povo que deveria ser representante do amor de Deus ao mundo. Mesmo assim, Deus não parou de amar.

II. O PROFETA MALAQUIAS REVELA QUE DEUS CUIDA DE SUA IGREJA CONSTANTEMENTE – Malaquias 1:2-4

1. O amor de Deus é visto na escolha imerecida de Seu povo: Esaú e Jacó foram irmãos gêmeos – ambos, grandes pecadores; de Esaú surgiu a nação de Edom (edomitas), de Jacó surgiu a nação de Israel (israelitas) – mesmo assim Deus escolheu Israel para ser Seu povo.
2. O amor de Deus é visto na disciplina corretiva a Seu povo: Devido às rejeições das advertências proféticas, o povo de Deus precisou passar 70 anos de cativeiro nas terras babilônicas a fim de restaurá-lo moral e espiritualmente – tal forma de amar é como um pai educa seus amados filhinhos.
3. O amor de Deus é visto na proteção dada a Seu povo: Quando Deus enviava Seu povo “ao cantinho da disciplina” os edomitas aproveitaram para saquear, humilhar e colaborar com o exército de Nabucodonosor (Oseias 11-14). Deus demonstrou amor a Seu povo exterminando aos edomitas, assim como um pai amoroso enche de pauladas o cachorro de estimação por estar devorando ao seu filho.

III. O PROFETA MALAQUIAS REVELA QUE O AMOR DE DEUS POR SEU POVO SERÁ VISIVEL MUNDIALMENTE - Malaquias 2:5

1. Ainda que negligenciado, o amor de Deus será mundialmente revelado: No contexto de Malaquias, as nações perceberiam o amor de Deus demonstrado a Israel. Além do cuidado, proteção, chamado, disciplina, a maior manifestação do amor de Deus por Israel foi Jesus ter vindo para os Seus, sem que os Seus O recebessem (João 1:11).
2. Ainda que ignorado, o amor de Deus será mundialmente percebido: O mundo todo ficou sabendo do maior ato de amor demonstrado à humanidade nas terras de Israel. Jesus morreu por todos nós a fim de salvar-nos sem que tivéssemos qualquer mérito.
3. Ainda que desprezado, o amor de Deus será mundialmente escancarado: Na Sua segunda vinda, Jesus virá para levar Seus amados amigos, deste planeta carcomido pelo pecado ao lar celestial.

CONCLUSÃO:

1. Com base em Malaquias 1:1-2 podemos observar a história e afirmar que Deus sempre teve uma igreja (um povo) nos territórios do inimigo (Satanás): no Antigo Testamento, Israel; no Novo Testamento, a Igreja Cristã. Tanto a primeira quanto a segunda foram escolhida e formada por Deus de pessoas imperfeitas. Seu amor por nós, membros de Seu povo, é incondicional.
2. Com base em Malaquias 1:2-4 podemos declarar que durante toda a história de Israel, é notável o amor e cuidado de Deus, assim como o é nos aproximadamente dois mil anos de história do cristianismo. Em seu início, quando a Igreja sofria perseguição, Jesus apareceu a Saulo, identificando-Se com os crentes em aflição e trazendo Saulo à conversão (Atos 1-9). Na Idade Média houve 1260 anos de perseguição, mas Deus permitiu que o general Berthier prendesse ao Papa Pio VI a fim de que Sua verdadeira Igreja tivesse liberdade novamente (Daniel 7:19-26; Apocalipse 13:1-10).
3. Com base em Malaquias 1:5 podemos concluir que o amor de Deus por Sua igreja será claramente reconhecido por todo o Universo quando Jesus vier pela segunda vez, a fim de retirar Seu povo deste mundo de pecado, com o objetivo de exterminar tudo aquilo que afligia a Sua amada igreja (Apocalipse 19-22).

APELO:

1. Reconheça e aceite o amor de Deus por Seu povo. Não devemos agir como Esaú!
2. Reconheça que o amor de Deus visa à correção e à proteção. Não devemos agir como os edomitas.
3. Reconheça que o amor de Deus é real, notório e infinito.
 
Pr. Heber Toth Armí

Postagens mais acessadas nesta semana