terça-feira, 31 de maio de 2011

HUMILDADE + SERVIÇO = HARMONIA NA VIDA


Ouvi uma história que me chamou tanto a atenção que passo a compartilhar com os leitores deste blog. Além da história, postei lições e aplicações bíblicas relacionadas à história e a você. A história é curta, porém profunda e reflexiva:

Leonard Bernstein era um famoso maestro da Orquestra Filarmônica de Nova Iorque. Em certa circunstância alguém lhe fez uma pergunta intrigante:

 Senhor Bernstein, dentre todos os instrumentos musicais, qual é o mais difícil de ser tocado?

Depois de pensar por alguns instantes, sabiamente ele respondeu o seguinte:

 O instrumento mais difícil de ser tocado numa orquestra é o segundo violino. Temos muitos primeiros-violinos, mas é uma dificuldade encontrar alguém que queira tocar segundo-violino tão bem ou com o mesmo entusiasmo com que tocaria na posição do primeiro. O mesmo se dá com alguns outros instrumentos e, no entanto, se não houver o segundo instrumento, não haverá harmonia.

Aplicações para a vida:
1. Todos querem ser os primeiros em tudo, na fila, no vestibular, no esporte, no trabalho, etc. Pelo fato das pessoas lutarem pelo primeiro lugar, há uma dificuldade de ser humilde para servir.
2. Todos querem ser o primeiro, ninguém luta pelo segundo lugar. O egoísmo é um defeito humano desde a infância. A luta pelo primeiro lugar promove brigas, desentendimentos, discrepâncias e desarmonias.
3. Todos vivem melhor se a humildade e o desejo de servir ocupar o lugar do egoísmo. Como a orquestra alcança a harmonia com o segundo instrumento, a vida das pessoas seria muito mais feliz, alegre a harmoniosa ao se aplicar ao serviço aos outros.

Aplicações bíblicas:
1. Disse o sábio Salomão: “O orgulhoso só traz brigas; é mais sábio pedir conselhos” (Provérbios 13:10 [NTLH]).
2. Disse o profeta Isaías: “Ai dos que são sábios aos seus próprios olhos e prudentes em seu próprio conceito” (Isaías 5:21 [ARA]).
3. Disse Jesus: “Sejam meus seguidores e aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso” (Mateus 11:29 [NTLH]).

Em resumo, para que haja harmonia numa orquestra é necessário o segundo violino ou outro segundo instrumento; da mesma forma, a conquista da harmonia na vida é alcançada quando se aprende a servir com humildade e singeleza de coração.
1.   Para que haja harmonia familiar é necessário humildade e serviço.
2.  Para que haja harmonia no trabalho é necessário humildade e serviço.
3.  Para que haja harmonia na igreja é necessário humildade e serviço.

Pr. Heber Toth Armí

segunda-feira, 23 de maio de 2011

OS DEZ SEGREDOS DE MARIA, A MÃE DE JESUS


INTRODUÇÃO: Texto bíblico principal: Lucas 1:26-38; 46-55
1.  Maria não é conhecida como verdadeiramente ela é na Bíblia.
2. Maria na Bíblia é bem diferente do que muitos imaginam, por isso é possível destacar dez segredos dela. Veja:

I.        MARIA NÃO PODE SER A MÃE DE DEUS – Lucas 1:32, 35
1. Uma mulher é uma criatura de Cristo (Colossenses 1:15-17), a criatura não pode ser mãe do Criador. Jesus é antes de todas as coisas, antes mesmo do nascimento de Sua mãe (João 1:1-3).
2. Uma mulher humana não poderia jamais gerar por si mesma um deus. Jesus é o Filho de Deus (Lucas 1:32); Ele é plenamente divino e eterno, mas se fez homem (Filipenses 2:5-8). Nesse processo foi necessário o corpo de uma mulher (Gênesis 3:15).

II.    MARIA NÃO PODE SER IMACULADA – Lucas 1:47
1. Maria não é imaculada, porque a Bíblia declara que na terra não há um justo, nem um sequer (Salmo 14:2-3; Romanos 3:10-11). O único justo foi Jesus (Atos 3:14-15).
2. Maria não é imaculada, porque ela mesma sabia que precisava de um Salvador (Lucas 1:47), por isso ela oferecia sacrifícios pelosseus próprios pecados (Lucas 2:21-24).

III.  MARIA NÃO PODE SER MEDIADORA NO CÉU – Lucas 1:46-49
1.  Maria nunca se posicionou como intercessora ou mediadora, mas como bem-aventurada por ser mãe de Jesus, o qual, sendo divino, nasceu como homem. Há uma atitude de Jesus em Lucas 8:19-21 que deixa claro que se Maria quisesse salvar-se deveria ouvir e executar a vontade do Pai, como qualquer pecador.
2. Maria não pode ser intercessora de ninguém no Céu, pois a Bíblia declara que só existe um único intercessor (I Timóteo 2:5), e, fora este não há outro caminho para Deus e para a salvação (João 14:6; Atos 4:12).

IV.   MARIA PERDEU A VIRGINDADE
1.  Maria permaneceu virgem até que o ente Santo, gerado pelo Espírito Santo, fosse concebido (Lucas 1:35; Mateus 1:25).
2. Maria se casou com José; e, depois que Jesus nasceu, teve relações sexuais com seu marido; conforme declarado na palavra “conheceu” (Mateus 1:25; Gênesis 4:1, 25).

V.   MARIA RECEBEU GRAÇA DE DEUS – Lucas 1:28, 30
1. Maria, embora tão carente de perdão e salvação como qualquer outra pessoa, foi agraciada por Deus como Noé (Gênesis 6:8), Davi (Salmo 6:4; 13:5) e muitos outros (Atos 15:11).
2. Maria foi agraciada, pois nenhum ser humano está isento do pecado e não merece nada a não ser a morte (Romano 5:12). Mas a bondade de Deus se manifestou com misericórdia e graça a todos, em especial a Maria.

VI.   MARIA FOI HUMILDE DIANTE DO PROJETO DE DEUS – Lucas 1:34, 38
1.  Maria não questionou o anjo, o qual lha trouxe mensagem de graça. Ela humildemente pergunta-lhe como tudo aquilo poderia acontecer.
2. Maria aceita com humildade e prestatividade afirmando ser a serva do Senhor.

VII.  MARIA FOI CORAJOSA PELA CAUSA DE DEUS – Lucas 1:38
1. Maria apenas se preocupou em fazer a vontade de Deus, não com o que poderia pensar José, seus pais, a sociedade e a liderança da igreja caso ela aparecesse grávida sem ainda estar casada com José.
2. Maria sabia que poderia ser mal interpretada, rejeitada e até apedrejada por aparecer grávida ainda solteira; mas aceitou o desafio sem se importar com as conseqüências. Ela foi corajosa ao ser uma instrumentalidade nas mãos de Deus.

VIII. MARIA EXULTOU EM ADORAÇÃO A DEUS – Lucas 1:46-55
1. Maria expressou sua alegria e gratidão na composição de um belo e extraordinário cântico.
2. Maria compôs esse cântico o qual se tornou conhecido em toda a história de toda a cristandade. Esse cântico é conhecido como Magnificat.

IX.  MARIA OBEDECEU AOS DEZ MANDAMENTOS DE DEUS, NÃO DA IGREJA – Lucas 23:54-46
1. Maria era uma mulher temente a Deus, por isso foi escolhida pela graça de Deus quando era uma tenra moça, ainda solteira.
2. Maria permaneceu obediente aos mandamentos de Deus durante sua vida. Ela não seguia os mandamentos manipulados e adulterados no catecismo, mas todos os Dez Mandamentos de Deus baseados na Bíblia em Êxodo 20:8-11.

X.   MARIA FICOU NA TERRA ORANDO A DEUS, NÃO NO CÉU PELAS PESSOAS – Atos 1:9-15
1. Maria não subiu ao Céu com Jesus. Depois que Jesus foi assunto ao Céu, Seus discípulos ficaram no cenáculo orando por dez dias juntamente com as mulheres, entre aos quais estava Maria. Ela ficou orando com os cristãos, não foi ao Céu orar pelos cristãos.
2. Maria necessitava de oração, de poder e do Espírito Santo como qualquer um dos 120 que estavam reunidos em oração esperando pela promessa de Deus Pai, o recebimento do poder do Espírito Santo (Atos 1:4, 8).

CONCLUSÃO:
1. Estes segredos não deveriam ser segredos, mas como muitos desconhecem a Maria que a Bíblia apresenta, todas estas informações se tornaram segredos, agora revelados a você.
2. Estes segredos revelam que Maria foi uma mulher como qualquer outra, embora humilde, dedicada e temente a Deus. Sendo assim, ela serve de exemplo de mulher, boa mãe e de cristã verdadeira.

APELO:
1.   Não veja Maria como mãe de Deus, pois ninguém na Bíblia a identificou assim, nem ela mesma.
2.  Não olhe para Maria como imaculada, sem defeito e sem pecado; pois ela reconheceu a necessidade de um Salvador.
3.  Não vá a Maria como intercessora, pois a Bíblia declara que o único e exclusivo intercessor e mediador é Jesus.
4.  Não creia na ideologia humana de que Maria foi sempre virgem, pois a Bíblia declara que ela teve relações sexuais com seu marido José.
5.  Veja Maria como uma mulher que recebeu a graça imerecida de um Deus misericordioso e compassivo.
6.  Veja Maria como uma mulher humilde e submissa aos complexos planos de Deus.
7.  Veja Maria como uma mulher corajosa, a ponto de arriscar sua vida a fim de cumprir a vontade de Deus.
8.  Veja Maria como uma mulher que exulta em adoração ao seu Deus na composição de uma linda e extraordinária canção.
9.   Veja Maria como uma mulher fiel a Deus e aos Seus Dez Mandamentos.
10. Veja Maria como uma mulher de oração buscando o cumprimento das promessas de Deus e o poder do Espírito Santo. Aprenda viver o verdadeiro cristianismo com a verdadeira Maria apresentada na Bíbia.

Pr. Heber Toth Armí

sexta-feira, 20 de maio de 2011

O PRIMEIRO CULTO DE ADORAÇÃO A DEUS NO MUNDO


Por causa do pecado entrou a violência no mundo; por causa da violência, Adão e Eva perderam seu único filho fiel a Deus pelo fratricídio cometido por Caim. Aparentemente a terra seria povoada por pessoas corruptas, com a descendência de Caim. O mal prevalecia, os irreverentes, zombadores e escarnecedores eram evidentes e petulantes. No entanto, o autor bíblico que descrevia o progresso do pecado na família de Caim, interrompe a descrição a fim de apresentar a misericórdia e a graça de Deus a Adão e Eva e a toda raça humana. Assim diz o relato bíblico: “Adão conheceu sua mulher. Ela deu à luz um filho e lhe pôs o nome de Set ‘porque,’ disse ela, ‘Deus me concedeu outra descendência no lugar de Abel, que Caim matou.’ Também a Set nasceu um filho, ele lhe deu o nome de Enós, que foi o primeiro a invocar o nome de Iahweh” (Gênesis 4:25-26, Bíblia de Jerusalém). Destacamos algumas informações importantes deste relato:

  1. Set (ou Sete, Seth) substituiu o fiel e justo Abel: O nome “Set” do hebraico שֵׁת significa “apontado” e/ou “subsitituto”. Abel, o único filho fiel de Adão e Eva, morreu sem deixar descendência. Adão e Eva esperavam o descendente que esmagaria a cabeça da serpente (Gênesis 3:15), mas via a impossibilidade de surgir da descendência do perverso Caim. Então, Eva teve mais um filho, no qual depositara sua confiança de que ele seria apontado para substituir o fiel e justo Abel. Assim, Set substituiu Abel como filho e como descendente fiel, pois este tornou-se o ascendente de uma série de patriarcas antidiluvianos que cobriram o período entre Adão e Noé (Gênesis 5:6-29).
  2. Set teve seu primeiro filho e o nomeou Enós (ou Enos, Enosh): O nome “Enós” do hebraico אֱנוֹשׁ significa “homem mortal” e/ou “frágil”. Há quem considera que a consciência da fragilidade humana, indicada no nome Enós, despertou nas pessoas a necessidade plena de Deus. Assim, através dele, Deus realizaria as Suas promessas. Enós se destacou na linhagem de Set, desta forma através dele havia esperança para a proclamação divulgação da verdadeira fé em Deus como o Criador e Redentor. Enós viveu 905 anos e teve muitos filhos e filhas (Gênesis 5:9-11); seu nome é mencionado na longa genealogia de I Crônicas (1:1) e no documento genealógico de Jesus em Lucas 3:38, sendo ele um ascendente do Messias.
  3. Set e Enós organizaram o primeiro culto de adoração a Deus no mundo: A Septuaginta e a Vulgata especificam: “este [Enós] foi o primeiro a invocar o nome de Iahweh”. Enquanto os filhos de Caim se gloriam nas obras das próprias mãos um pequeno grupo de pessoas, incentivado por Enós, começaram a glorificar e a invocar o nome de Deus. Deus usa o homem humilde, mortal e frágil a fim de conclamar as pessoas a adorar a Ele. Isso se tornou possível, e, a partir daí a humanidade começou a invocar o nome de Iahweh, Senhor Deus. Esse foi o primeiro culto congregacional. Esse foi o primeiro culto coletivo de adoração a Deus no mundo. Assim, Enós é considerado por muitos, o iniciador do culto ao Deus verdadeiro, Iahweh.
Deus é o nosso Criador e Redentor, Ele prometeu enviar o Messias como descendente da mulher para nos libertar do pecado; para isso, uma linhagem foi preparada e conduzida pela graciosa e misericordiosa onisciência de Deus. Cabe a cada um de nós respondermos positivamente a essa graça e começar, ou, recomeçar a invocar o nome de Iahweh, Senhor Deus.

Obs.: Acesse o sermão sobre o texto deste artigo. Click aqui O primeiro movimento de reavivamento e reforma da história mundial (Gênesis 4:25-26).
Pastor Heber Toth Armí

quarta-feira, 18 de maio de 2011

A FLECHA DA VITÓRIA DO SENHOR: UMA PARÁBOLA


INTRODUÇÃO: Texto bíblico principal: II Reis 13:14-19
1. Parábola é uma ilustração teórica ou prática cuja finalidade é ensinar verdades espirituais profundas.
2. Parábola é uma estratégia pedagógica que visa facilitar a compreensão das profundas verdades da revelação de Deus.
3. Parábola é um recurso didático usado fluentemente no Antigo e Novo Testamento. O texto deste sermão é uma parábola proferida pelo profeta Eliseu, realizada pelo rei Jeoás; a qual tem grandes verdades a ensinar.

I.   A FLECHA É APENAS UM INSTRUMENTO DE GUERRA DA ANTIGUIDADE – II Reis 13:15-16
1. O arco e flecha foi o instrumento usado pelos exércitos antes da invenção de armas de fogo.
2. O arco e flecha são simples instrumentos, usados também para caçar.
3. O arco e flecha ilustram aquilo que um homem ou uma mulher tem a sua disposição para alcançar um objetivo. No caso do rei Jeoás ele tinha arco e flechas, Moisés teve um cajado, Davi uma funda, etc. em teu caso pode ser outro instrumento, qualquer coisa que você tenha em mãos, por mais simples que seja.

II. A FLECHA DA VITÓRIA SÓ SERÁ PODEROSA SE VIER DO SENHOR – II Reis 13:17
1. A flecha é um instrumento frágil diante de tantas armas poderosas hoje em dia, Jeoás não precisava trocar de instrumento para vencer suas lutas e alcançar vitórias.
2. A flecha, embora seja um instrumento frágil, se torna poderosa quando se torna “a flecha da vitória do Senhor”.
3. A flecha da vitória do Senhor é um termo didático que aponta para o princípio de que toda vitória vem do Senhor. O exército de Jeoás estava destruído, não possuía muitos cavaleiros, nem muitos carros e nem muitos homens de infantaria, “pois o rei da Síria os tinha destruído e os tinha feito como pó, trilhando-os” (II Reis 13:7). Porém, não era com carros e exército que Jeoás venceria, mas com a flecha da vitória do Senhor. Você pode estar falido, não é o dinheiro, ou o emprego ou o governo que te dará vitórias, é Deus.

III. A FLECHA DA VITÓRIA DO SENHOR TRARÁ LIVRAMENTO SE FOR USADA COM PERSEVERANÇA – II Reis 13:18-19
1. Sem perseverança o rei Jeoás não fez jus à promessa de Deus dada por Eliseu. Ele atirou apenas três flechas, e cessou, quando deveria ter atirado cinco ou seis.
2. Sem perseverança não há vitória, não importa o instrumento. Para vencer as lutas da vida moderna é necessário perseverar no estudo da Bíblia, na oração e testemunho do poder de Deus. Ainda que nossos olhos não vejam solução, a vitória vem do Senhor.
3. Sem perseverança revela a falta de confiança constante em Deus, por isso não há vitória completa. Pode haver meias vitórias, mas o problema continua. A perseverança revela a fé em Deus; a vitória é resultado da fe perseverante!

CONCLUSÃO:
1. Muitos dos grandes sonhos dos grandes sonhadores não são realizados, não por falta de recursos, mas por falta de buscar a presença e a direção de Deus.
2. Muitos dos grandes sonhos dos grandes sonhadores não são realizados, não por falta de disposição, mas por falta de confiança no livramento ou vitória que vem do Deus todo-poderoso.
3. Muitos dos grandes sonhos dos grandes sonhadores não são realizados, não por falta de ousadia e força de vontade, mas por falta de perseverança em seguir os planos e princípios traçados por Deus.

APELO:
1. Coloque sua vida e seus sonhos agora mesmo nas mãos de Deus. Deus quer transformar você em instrumento dEle.
2. Coloque o que você tem em suas mãos nas mãos de Deus. Deus quer transformar o que você tem em instrumento dEle.
3. Coloque seu coração em perseverar em fazer a vontade de Deus. Deus quer transformar você com tudo o que você tem em vitórias completas.

Obs.: Caso queiras mais informações sobre o texto, leia também o sermão "Estratégias divinas para se obter vitórias" neste mesmo blog.
Pr. Heber Toth Armí

terça-feira, 17 de maio de 2011

O PRIMEIRO MOVIMENTO DE REAVIVAMENTO E REFORMA DA HISTÓRIA MUNDIAL


INTRODUÇÃO: Texto bíblico principal: Gênesis 4:25-26
1. Enquanto a espiritualidade decaía no mundo com o aumento do pecado, a tecnologia desenvolvia na família de Caim a fim de encontrar segurança, estabilidade e paz sem Deus (Gênesis 4:17-20, 22).
2. Enquanto o prazer pela presença de Deus desaparecia por causa do pecado, a música era explorada para suscitar o prazer na vida humana (Gênesis 4:21, 23-24).
3. Enquanto a espiritualidade na vida religiosa dos descendentes de Caim chegou à estaca zero, Deus misericordiosamente suscitou Sete e Enos, os quais foram os pais dos que invocam o nome do Senhor numa época de grande iniqüidade (Gênesis 4:25-26).

I.   O REAVIVAMENTO ESPIRITUAL TEVE UM COMEÇO HISTÓRICO – Gênesis 4:25-26
1. A história bíblica registra uma rápida evolução do pecado na vida da família de Caim.
2. A história bíblica afirma que por mais de 130 anos (Gênesis 5:3) os povos não invocaram o nome do Senhor – talvez alguns, individualmente, como Adão e Eva.
3. A história bíblica evidencia que, o início da adoração pública ao Criador se deu com Sete (filho de Adão) e Enos (neto de Adão). Esse foi o primeiro reavivamento espiritual da história universal.

II. O REAVIVAMENTO ESPIRITUAL FOI NECESSÁRIO DESDE O INÍCIO DA HISTÓRIA MUNDIAL – Gênesis 4:25-26
1. O pecado afasta o pecador de Deus, o qual é mortal para a vida em todos os sentidos, principalmente no aspecto espiritual.
2. O pecado começou a alastrar-se rapidamente no mundo e no coração humano fazendo-o enfraquecer e morrer espiritualmente.
3. O pecado fez Caim destruir o justo Abel, mas Deus entrou em cena dando a Adão e Eva outro filho em lugar de Abel. Sete gerou a Enos, ambos desenvolveram o primeiro reavivamento espiritual na história.

III. O REAVIVAMENTO ESPIRITUAL DO COMEÇO DA HISTÓRIA DESENBOCOU EM REFORMA ESPIRITUAL – Gênesis 4:25-26
1. O invocar o nome do Senhor fez dos adoradores a Deus diferentes dos filhos de Caim, os quais amavam o pecado e desprezavam o santo Deus.
2. O invocar o nome do Senhor conduziu as pessoas a uma atitude e conduta diferente daqueles que buscavam segurança e estabilidade nas obras de suas próprias mãos.
3. O invocar o nome do Senhor foi a primeira forma de culto público de adoração e consagração da vida ao Criador. Foi a primeira reunião de adoradores prestando um culto coletivo a Deus.

CONCLUSÃO:
1. O reconhecimento do aumento do pecado a nossa volta deve motivar-nos a levantar um povo a fim de invocar o nome do Senhor por reavivamento e reforma.
2. O reconhecimento de nossas fragilidades, instabilidades e incertezas devem motivar-nos liderar um movimento espiritual que trará restauração e vigor espiritual.
3. O reconhecimento do afastamento de Deus por muitos deve motivar-nos a conclamar pessoas a invocar o nome de Deus coletivamente.

APELO:
1. Reavivamento e reforma surgiu quando o pecado destruía a vida espiritual das pessoas, hoje a situação não é diferente, comece agora a invocar o nome do Senhor (I Crônicas 16:8-9).
2. Reavivamento e reforma é a necessidade de cada igreja e de cada líder da igreja, pois só assim o povo de Deus terá prazer nEle e não no pecado (I Crônicas 16:10-11).
3. Reavivamento e reforma são necessidades urgentes nos dias atuais, tome iniciativa e convoque as pessoas para invocar com clamor e fervor o nome do Senhor (Atos 2:21).
Pr. Heber Toth Armí

sexta-feira, 13 de maio de 2011

ESTRATÉGIAS DIVINAS PARA OBTER VITÓRIAS


INTRODUÇÃO: Texto Bíblico principal: II Reis 13:14-19
1. A Bíblia inteira foi escrita para instruir às pessoas: (Romanos 15:4).
2. A Bíblia é a sagrada e sobrenatural Palavra de Deus: Qual a utilidade de II Reis 13:14-19?
3. A Bíblia deve ser estudada dando atenção ao seu contexto:
a) II Reis conta sobre a política de Israel e Judá: Reis idólatras, reino de Israel divido.
b) II Reis oferece detalhes do contexto do texto: Reino defasado (II Reis 13:1-3, 7, 9).
c) II Reis oferece detalhes específicos para se entender o texto: (II Reis 13:14).

I.   O SER HUMANO SEM DEUS É INCAPAZ DE VENCER MESMO POSSUINDO GRANDE PODER – II Reis 13:14
1.  O ser humano nem sempre é sincero, sua limitação é demonstrada no choro mesmo sendo rei. O rei Jeoás não chora por Eliseu que estava doente, mas por si mesmo, por sua insegurança e seu medo.
2.  O ser humano naturalmente busca a Deus quando deseja suprir interesses egoístas, não para perdão dos pecados. Jeoás era idólatra, mas vai procurar o homem de Deus com interesses egoístas e políticos.
3.  O ser humano busca a Deus quando o sucesso material lhe parece impossível. Com um exército debilitado e cidades invadidas pelos sírios, o rei Jeoás entra em desespero e procura o profeta Eliseu por ajuda, pois estar no mais alto nível de poder humano não é garantia de sucesso em tudo.

II.  O SER HUMANO BUSCA AS ORIENTAÇÕES DE DEUS NA HORA DO DESESPERO – II Reis 13:15-18
1.  Deus revela seus mistérios com misericórdia mesmo aos que O buscam com motivações erradas. Eliseu, homem de Deus, representou o caráter bondoso de Seu Deus transmitindo a Jeoás as revelações pela qual fora procurar.
2.  Deus supre as necessidades dos que dEle se aproximam. Ninguém que procura a Deus por socorro sai sem respostas. Jeoás não se converteu, mas Deus lhe respondeu por meio do profeta Eliseu.
3.  Deus orienta a todos os que O buscam na hora do desespero:
a) Saia do comodismo e da ociosidade: Retesa o arco.
b) Siga a direção determinada por Deus: Abra a janela para o oriente e atira a flecha do livramento do Senhor.
c)  Seja intensivo em teu empenho ao lutar pelo teu sonho: Toma as flechas e fere a terra.

III. O SER HUMANO FRACASSA POR NÃO VIVER INTENSAMENTE AS ORIENTAÇÕES DE DEUS – II Reis 13:18-19
1.  Almejamos vitória ou sucesso em tudo o que fazemos na vida, mas não alcançamos completamente; não que Deus não queira, mas porque não seguimos todas as regras (Josué 1:5-9).
2.  Almejamos famílias fortes espiritualmente, mas não temos; não que Deus não queira, mas porque não aplicamos todos os princípios de Deus na vida familiar (Deuteronômio 6:5-9).
3.  Almejamos uma igreja poderosa e vitoriosa, mas não somos; não que Deus não queira, mas porque não vivemos intensamente Suas ordens (Atos 1:4, 8, 14).
4.  Almejamos conquistar muitas almas para Jesus, mas não conseguimos; não que Deus não queira, mas porque não vivemos intensamente Suas orientações (Mateus 28:19-20).

CONCLUSÃO:
1. Cada cristão ocupa um cargo de confiança como sal da terra e luz do mundo, por isso deve vencer e influenciar aos outros positivamente como fez Eliseu.
2. Cada cristão deve buscar orientação de Deus e cumpri-la dependendo do poder do Espírito Santo como fez Jeoás.
3. Cada cristão deveria fazer toda a vontade de Deus com toda intensidade e forças até conseguir a vitória prometida por Deus, indo além das atitudes de Jeoás.

APELO:
1. Tenha atitude de estabelecer um plano e colocá-lo diante de Deus.
2. Tenha disposição de depender da orientação de Deus e de Sua Palavra quanto a este plano.
3. Tenha determinação de lutar intensamente confiando em Deus até ver o resultado almejado.
Pr. Heber Toth Armí

Postagens mais acessadas nesta semana